QUALIDADE

Março 18th, 2013

Certificação do Sistema da Qualidade

Creche – NÍVEL A e NP EN ISO 9001:2015

A Direção da Fundação João Gonçalves Júnior (FJGJ) assume a Qualidade como um fator determinante da sua gestão, muito concretamente nas respostas sociais de Creche, Pré-escolar e CATL.

Missão, Visão, Valores e Política da Qualidade

Missão

Contribuir para o desenvolvimento harmonioso de todas as crianças que frequentam as respostas sociais de Creche, Pré-escolar e CATL, através do recurso a práticas pedagógicas assentes em princípios educativos reconhecidos, conteúdos programáticos exigentes e métodos pedagógicos validados, adequados às aptidões das crianças em cada nível etário, de acordo com as orientações emanadas pelos organismos de tutela.

Visão

Reforçar o atual papel de liderança da FJGJ, promovendo uma imagem global de excelência educativa no mercado, afirmando-se como uma instituição de referência na área da infância a nível humano, pedagógico, e organizacional, por via do desenvolvimento de um projeto de melhoria contínua dos seus serviços e atividades.

Valores

  • Solidariedade e equidade no tratamento de todos os utentes e trabalhadores da Instituição;
  • Humanização da relação pedagógica;
  • Partilha entre todos os atores que participam na concretização da Missão da Instituição – família e a comunidade educativa;
  • Construtivismo e o recurso a métodos ativos no desenvolvimento do processo de formação integral da criança;
  • Educação para a vivência democrática, para o exercício da cidadania responsável e para a defesa do meio ambiente;

Política de Gestão da Fundação João Gonçalves Júnior

A FJGJ enquanto instituição IPSS está vocacionada para o desenvolvimento de serviços de apoio à infância, proporcionando a melhoria da qualidade de vida destas e das famílias onde estão inseridas. Este serviço, aberto à comunidade, está estruturado em quatro vertentes indissociáveis:

  1. A gestão parcimoniosa de bens e recursos numa ótica de sustentabilidade do serviço;
  2. A qualidade intrínseca das atividades que compõem o serviço de apoio à infância;
  3. A consciencialização ambiental em todas as fases da prestação do serviço;
  4. A consciência social da instituição, que fundamenta a atividade, regra basilar da solidariedade social.

A materialização destes vetores de intervenção está explicito em objetivos monitorizáveis ao longo do período letivo, visando as questões da boa gestão, da qualidade, do ambiente e da consciência social, numa ótica de melhoria contínua dos serviços que são a razão da existência desta Fundação. Genericamente para cada um destes vetores pretende-se:

  1. Proporcionar um ambiente estável, seguro e equilibrado, propicio ao desenvolvimento integral e harmonioso da criança, mantendo a sustentabilidade económico-financeira necessária para a continuidade da atividade da instituição.
  2. Prestar serviços de excelência através da melhoria continua, da aplicação de boas práticas, com focalização na eficiência do trabalho desenvolvido, valorizando de modo sistemático os recursos humanos, promovendo a sua realização, satisfação, motivação e formação.
  3. A Fundação adota como fator de sustentabilidade dos serviços a politica dos 5 R’s, a saber, “Reduzir”- Diminuir a produção de lixo evitando o consumo supérfluo, “Reutilizar” – Dar novos usos a materiais já utilizados, “Recuperar” – Valorizar os resíduos como potencial energético, “Reciclar” – Utilizar os resíduos como fonte de matéria-prima para produzir novos produtos, e “Responsabilizar” – Ter as atitudes certas para não prejudicar o ambiente, melhorando-o, Otimizando desta forma os recursos naturais.
  4. Agir em urbanidade e no respeito por uma cidadania responsável, tendo por base:
  • A ética nas ações e nas relações institucionais
  • A intervenção social empenhada
  • A equidade social na intervenção da Instituição
  • A partilha do conhecimento e o estabelecimento de parcerias em projetos com a comunidade envolvente;
  • A participação e o envolvimento dos trabalhadores na gestão/ação dos projetos
  • A corresponsabilização e a competência dos trabalhadores da instituição
  • A satisfação de todas as partes interessadas